The Prisioner (Série de TV)

    Descobri muitas coisas através da música, e vive-versa. Não é de hoje que o cinema faz adaptações de livros, que a música dá sua interpretação em filmes, filmes pegam músicas como trilhas e assim por diante. Nesse sentido, eu descobri The Prisioner, vocês devem imaginar, por causa do Iron Maiden. Vamos falar um pouco sobre essa icônica série britânica dos anos 60.

Continuar lendo “The Prisioner (Série de TV)”

A Série Sexta-Feira 13: Um Resumo e uma Análise do Jogo

Como pode um filme que custou apenas 5 mil dólares ter feito tanto sucesso e ter dado origem a uma das franquias de terror de maior sucesso de todos os tempos? O fenômeno protagonizado por Jason Vorhees aterrorizou os jovens dos anos 80 e recentemente deu origem a um divertido game multiplataforma. Vamos revisitar os filmes e falar um pouco sobre esse jogo?

Continuar lendo “A Série Sexta-Feira 13: Um Resumo e uma Análise do Jogo”

O Sopro do Gjallarhorn: o primeiro romance sci-fi ambientado no sistema TRAPPIST-1

Pois é. Esse negócio de escrever só roteiros de quadrinhos já está meio enchendo o saco. Resolvi, então, começar a arriscar na área de literatura de ficção científica, um de meus temas favoritos. E a melhor parte? Eu não dependo de desenhista! Ou seja, só posso culpar a mim mesmo pelos atrasos. Mas vamos lá, quero falar um pouco sobre esse meu novo projeto para ver se vocês se interessam.

Continuar lendo “O Sopro do Gjallarhorn: o primeiro romance sci-fi ambientado no sistema TRAPPIST-1”

Destiny: um resumão (pra quem já conhece ou não o jogo)

Quando comprei meu Xbox One, em abril de 2015, precisava, obviamente, de jogos para me deleitar no novo console. Eu já havia lido umas críticas razoáveis sobre Destiny e, embora nunca tenha sido grande fã de jogos FPS, a temática me chamou a atenção por ser no espaço e, fã de ficção científica que eu sou, decidi arriscar. Na época, o jogo não era nenhum “Call of Duty”, o que para mim era ótimo, pois sempre fugi dessas franquias mais conhecidas e sempre gostei de fuçar nos jogos “b”. Ledo engano. Eu não sabia, na época, que a Bungie tinha sido responsável por HALO e que Destiny estava para se tornar um dos jogos mais incríveis e viciantes da nova geração. “Tá legal, mas o que o jogo tem de tão legal? Por que você não joga outra coisa? Sobre o que é esse jogo, afinal?”. Perguntas que eu ouço constantemente. E, na eminência de sair Destiny 2, talvez seja uma boa hora para tentar respondê-las.

Continuar lendo “Destiny: um resumão (pra quem já conhece ou não o jogo)”